top of page
  • Foto do escritorAndreia

Falou de Summer Body?

O verão chegou e infelizmente as dietas e os "truques mágicos" para perder peso para o verão também voltaram. Talvez tenha ganhado peso devido à pandemia que não perdeu. Ou talvez esteja perfeitamente bem, mas de alguma forma, quando os dias mais quentes chegam, sente que deveria perder peso porque as publicidades e os media falam de "Summer Body". Faça as pazes com seu corpo. Hoje, vou desmistificar 3 mitos que provavelmente ouviu durante toda a sua vida.



  • Sua pontuação de IMC determina se está saudável ou não

O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma forma muito popular de calcular se uma pessoa é considerada saudável ou não (abaixo do peso, sobrepeso ou obesidade). Os médicos a usam há muito tempo e, hoje em dia, qualquer pessoa pode encontrar uma calculadora online. As revistas costumam mencioná-lo nos seus artigos antes de fornecer a nova dieta mágica para o verão. O cálculo é simples: dividir seu peso em quilos pela sua altura em metros ao quadrado.


Talvez tenha sentido desconforto ao ir ao médico para um check-up e ver que sua pontuação não era a que desejava. Mas tenho boas notícias: não importa a pontuação porque o IMC não é fiável.


Embora muitos médicos ainda usem o IMC, essa medida é uma forma imperfeita de medir a gordura corporal, de acordo com a Associação Médica Americana (AMA). E não é surpreendente quando se sabe a sua origem. O IMC foi criado por um matemático belga Lambert Adolphe Jacques Quetelet como um exercício matemático para encontrar o "homem médio" na década de 1830. Portanto, ele não era médico e nem procurava diagnosticar rapidamente a obesidade, que não era vista como um problema naquela época. Além disso, todos os participantes eram homens da Europa Ocidental.


Mas essa fórmula matemática só se tornou popular na década de 1970, quando um fisiologista e nutricionista americano Ancel Keys e um grupo de colegas promoveram o Índice de Quetelet como a melhor maneira disponível de rastrear rapidamente a obesidade.


Mas o estudo de Keys também não considerou todos os tipos de corpo. Ele mediu apenas 7426 homens "saudáveis" de 12 grupos de amostra. Os grupos incluíam estudantes e profissionais americanos, ferroviários italianos, homens do leste e oeste da Finlândia, agricultores e pescadores japoneses e homens bantu da África do Sul. Por essa razão, vários estudos e médicos concordam que esta forma de medir a saúde de alguém não funciona para muitas pessoas, incluindo mulheres , crianças, idosos, atletas profissionais e pessoas de diferentes etnias.


O Departamento de Saúde e Serviços Humanos e o Centro para o controle de doenças e de prevenção: "como o IMC não mede a gordura corporal diretamente, não deve ser usado como uma ferramenta de diagnóstico. Em vez disso, o IMC deve ser usado como uma medida para investigar o peso das populações e como uma ferramenta de triagem para identificar potenciais problemas de peso em indivíduos." Existem várias outras maneiras de medir a saúde de alguém, como exames de sangue, níveis de colesterol, pressão arterial ou frequência cardíaca em repouso.


  • 10.000 passos por dia ajudam a perder peso

Atualmente, a maioria das pessoas possui um apple watch, um fitbit ou qualquer outro gadget para ajudá-las a manterem-se mais ativas. Esses dispositivos geralmente têm vários indicadores que são usados como ferramentas para perder peso ou, pelo menos, medir se alguém está perto ou não de uma meta. E coincidentemente, eles também têm uma meta diária de 10.000 passos. Provavelmente, já percebeu onde quero chegar com isso, mas vou escrever-lo na mesma: a meta de 10.000 passos é uma invenção de marketing e não é baseada na ciência.


Em 1965, uma empresa japonesa lançou um novo contador de passos, que eles chamaram de Manpo-Kei, que se traduz em "medidor de 10.000 passos". Eles comercializaram o dispositivo com o slogan: "Vamos caminhar 10.000 passos por dia". E, eventualmente, esse número tornou-se a base para muitos contadores de passos e pedômetros, levando os consumidores a acreditar que esse mesmo número era cientificamente comprovado. E esse número está tão presente no nosso dia a dia que muitas autoridades de saúde no mundo recomendam 10.000 passos.


Mas o que os estudos realmente mostram é que há uma ampla gama de número de passos para tornar as pessoas mais saudáveis. Por exemplo, um estudo de 2021 descobriu que pelo menos 7.000 passos por dia para adultos estava associado a um menor risco de mortalidade.


Embora caminhar e ser mais ativo numa sociedade sedentária é bom, há um componente psicológico no fato de ter de alcançar um certo número. Algumas pessoas podem olhar para 10.000 como um número assustador e sentirem-se desanimadas por isso. Outros podem ficar obcecados com isso e ter pensamentos ansiosos se não atingirem esse número todos os dias. E ficar obcecado em atingir números e métricas pode, em geral, prejudicar a saúde em vez de ajudá-la. Portanto, não estou a sugerir de parar de se mover, mas talvez não precise gastar o seu dinheiro com esses gadgets e talvez alguns dias ande um pouco menos do que outros e tudo bem.


  • Para perder peso, deve comer 1200 calorias por dia

Provavelmente conhece alguém que a fez ou talvez já a experimentou. A dieta de 1200 calorias é uma das mais popular, especialmente para as mulheres. Há décadas que existe e, de alguma forma, volta todos os anos. A maioria dos programas de dieta, como Weight Watchers, é baseada na ingestão de 1200 calorias, apenas escondida atrás de um sistema de pontos para fazer com que os programas pareçam mais complicados ou mais sobre o bem-estar. Mas será que sabe de onde vem esta dieta?


Durante o final do século 19 na Europa, especialmente na Alemanha, os cientistas trabalhavam sobre calorias e contagem de calorias. Embora a ideia de calorias não fosse muito popular na Europa, ela realmente interessou os Americanos. E em 1918, uma médica chamada Lulu Hunt Peters publicou um livro chamado "Diet and Health: With Key to the Calories". O seu livro foi um best-seller em 1924 e 1925 e ajudou a popularizar a dieta. A dieta não era apenas para ajudar as mulheres a controlar o seu peso e ficarem mais magras para alcançar novos padrões de beleza, mas também para ser patriótica. O livro, de fato, foi lançado no final da Primeira Guerra Mundial e, embora o racionamento não fosse lei, para alguns era importante que os americanos não acumulassem comida.


E mesmo que 1200 não seja um número completamente arbitrário porque veio de cálculos durante o final do período vitoriano que desde então foram revelados como errados, não é recomendado para adultos saudáveis. Nas suas recomendações dietéticas o Departamento de Saúde e Serviços Humanos Americano sugere que pessoas saudáveis a partir de 14 anos de idade devem comer entre 1800 e 3000 calorias por dia. Segundo essas recomendações, 1200 calorias é a necessidade diária de crianças, não de adultos.


Pedir a alguém para comer 1200 calories por dia não é apenas perigoso porque as necessidades básicas não são atendidas, mas também porque dietas restritivas desencadeiam compulsão alimentar e distúrbios alimentares. As pessoas que tentam isso podem ver resultados rápidos, mas não pode sustentar um consumo tão baixo de calorias por um longo período de tempo. E quando elas começarem a comer mais, o peso voltará.


Espero que este artigo tenha ajudado as pessoas que estão preocupadas com o seu corpo neste verão (e durante o ano). Se quiser mais artigos como esse, deixe um like e farei mais.
3 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page